Outubro Rosa: Setor do asseio e conservação é um dos que mais emprega mulheres

Cuidados devem ser seguidos por todos, inclusive homens

Um dos setores que mais emprega no Brasil, mesmo em tempos de crise, o setor do asseio e conservação possui em sua maioria mulheres. E durante o mês de outubro, celebra-se o Outubro Rosa, mês em que diversos órgãos relembram a importância de se combater o câncer de mama, uma das doenças que ainda mais mata mulheres no Brasil.

Para se ter ideia, por ano, são cerca de 1 milhão de novos casos e quase 500 mil mortes no mundo todo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). E a proporção do acometimento da doença entre homens e mulheres é de 1 para 100, ou seja, a cada 100 mulheres com a doença, um homem. Por isso a campanha é focada na prevenção das mulheres, o que não significa que os homens não tenham que se cuidar.

“Temos muito orgulho de empregarmos um número tão grande de mulheres. E, como elas são nossa principal mão de obra, temos que estar atento à saúde dessas trabalhadoras. Por isso, ao garantirmos benefícios que nenhum outro setor oferece, em uma parceria inédita com o sindicato laboral, por exemplo, que oferece assistência médica e acompanhamento das trabalhadoras, estamos garantindo o investimento no nosso bem mais precioso: nossos funcionários”, diz Adonai Arruda, presidente do SEAC-PR.

Para que as trabalhadoras estejam atentas a essa doença, é importante saber algumas informações, como, por exemplo, os fatores de risco. Conheça:

- Histórico familiar: o risco genético ainda é um dos principais fatores de surgimento da doença. Por isso, se você tem parentes de até terceiro grau que já tenham tido a doença, fique ligado e faça os exames regularmente.

- Idade: mulheres entre 40 e 69 anos são as principais vítimas, isso acontece pela exposição ao estrógeno, que tem seu auge nesta idade. Mas, hoje, o câncer de mama não tem idade, por isso, é importante estar atenta.

- Menstruação precoce: quanto mais cedo a mulher tem a primeira menstruação, por mais tempo ela está exposta ao estrógeno, o que aumenta o risco da doença.

- Reposição hormonal: a reposição hormonal é utilizada por muitas mulheres para diminuir os sintomas da menopausa. No entanto, a exposição aos hormônios pode aumentar os riscos.

- Colesterol alto: além de ser um risco para a saúde em geral, a alta taxa de colesterol pode favorecer o surgimento do câncer de mama.

- Obesidade: o alerta maior é para aquelas que apresentam um Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou superior a 30.

- Ausência de gravidez: mulheres que nunca tiveram filhos têm mais chance de terem câncer de mama. Isso porque a amamentação diminui a quantidade de hormônios que o corpo produz, diminuindo o risco.

- Tumor de mama anterior: quem já teve alguma vez câncer de mama deve ter atenção redobrada.

Se você está atenta a esses fatores de risco deve ficar atenta também aos sinais:

- Ferida na mama

- Nódulos aparentes

- Alterações nos mamilos

- Secreção escura

- Pele enrugada

- Vermelhidão e inchaço

Homens também devem se cuidar

Apesar de a proporção de surgimento da doença ser bem maior entre mulheres, os homens também devem estar atentos. Muitas vezes, justamente por acharem que é uma doença exclusiva de mulheres, a doença é diagnosticada em fase avançada, quando as chances de tratamento já são poucas.

E não é difícil identificar os sintomas, uma vez que são exatamente os mesmos das mulheres. Nódulos, feridas e vermelhidão e inchaço, por isso, a qualquer sinal de alteração, o homem deve recorrer a um mastologista para realizar os exames.

Fonte: INCA